Benito di Paula conta como vê a Musica Popular Brasileira na atualidade

Caderno Vertente Musical
Nascido em novembro de 1941, Uday Velozzo ganhou fama com pseudônimo de Benito Di Paula. Pianista, cantor e compositor, o artista fez sucesso anos 1970 e, acompanhado de sua banda, consagrou-se com as canções Mulher Brasileira, Charlie Brown, Retalhos de Cetim, Se não for Amor, entre outros.

Benito Di Paula teve mais de 30 discos gravados, fez sucesso no exterior e vendeu, segundo ele, cerca de 50 milhões de discos no mundo todo.

A entrevista abaixo foi conduzida pelo nosso colunista Jeff Soares há alguns meses, no camarim do artista, no Theatro Guarany, em Pelotas.

JEFF: Benito, já fazem 47 anos do lançamento do seu primeiro disco (1971). Como é carregar a Bandeira do Samba?

BENITO: É o respeito ao público. Ter um público que me acompanha passando para os filhos o meu repertório. Estou cantando para uma terceira geração agora, isto é uma maravilha, uma dádiva, um presente. Graça à Deus eu consigo fazer isto. Eu tenho um grande carinho e respeito por todo mundo.

JEFF: Você é um artista autêntico da Música Popular Brasileira. Um artista da família Brasileira. O que você tem a dizer ao seu público aqui no Sul?

BENITO: Minha família. Eu já vim muitas e muitas vezes aqui, então eu tenho um carinho tão grande pelo Sul, sabe. É como se eu estivesse em casa com a família, é uma coisa muito boa, eu gosto muito daqui.

JEFF:Quem será que te aquece nessas noites frias’. Conta pra gente um pouco sobre ‘Teia’ – uma canção nova no seu repertório?

BENITO: Essa música é de autoria dos meus irmãos (Ney e Ana Veloso) e uma canção interessante, que fala da teia da aranha, mas em relação ao amor, e nós estamos lançando essa música atualmente.

JEFF: Existe uma grande dificuldade de lançar discos no Brasil. Fale um pouco do disco e quando poderemos ouvir o seu novo álbum?

BENITO: Breve. Estamos preparando, mas não será um lançamento, vai ser um presente que eu vou enviar a todos os meus amigos do rádio, televisão e imprensa em geral. É um acontecimento, não é um projeto de ganhar dinheiro. É um projeto de trabalho e quando você trabalha você ganha. Trabalhando honestamente, com respeito. Os arranjos são todos meus, como sempre, tudo foi feito com carinho, o instrumental não tem coisas elétricas e eu creio que os fãs irão gostar.

JEFF: Benito, sou cantor e fui muito influenciado por tua voz. Quais os cuidados que você tem com esse vozeirão?

BENITO: Muito obrigado (afetuoso). Creio que a fé em Deus. Outros cuidados eu não tenho não (risos). Sou totalmente autodidata, faço arranjo, faço várias coisas, mas não sei nada. Deus é quem me ensina tudo.

Eu não sei fazer nada, tudo que eu faço é para o povo de Deus, para as pessoas que Deus ama. A família é a instituição mais importante, a obra mais bonita de Deus. Eu sempre cantei pra família, canto as canções da minha, dos meus irmãos, dos meus amigos, ajudo aqueles que estão começando a carreira de alguma forma, porque eu faço a coisa simples e verdadeira. Toda pessoa que for assim, vai conseguir e o resto é trabalhar.

JEFF: O que você acha do atual momento da Música Popular Brasileira?

BENITO: É complicado. Eu não tenho nada contra a música em geral. Eu gosto de música, mas tem coisas que são muito parecidas. Tem muita coisa igual, você está vendo que aquilo é uma forçação de barra.

O cabelinho tem estar penteado igual, a botinha tem que tá igual, quer dizer, não existe isso na música. Tá certo, eles estão trabalhando, eles tem o direito, são direitos humanos, todos temos direito de ir e vir e ter a sua opinião, assim como eu tenho a minha. Se eles têm o direito de fazer o que estão fazendo, eu também tenho direito de falar, que está tudo muito igual.

Nosso País é muito rico, mas ninguém fala em Lupicínio Rodrigues, Luiz Gonzaga, fala – se muito pouco de Tom Jobim, ouve-se muito, mas fala-se pouco, então isso atrapalha. Tem uma dupla sertaneja que gravou no Rancho Fundo de Lamartine Babo e Ary Barroso e deu certo. Então, porque ficam nessa mania de isso e aquilo não pode? Pode tudo sim, tudo que é bem feito o público gosta, agora não pode ser a mesmice de sempre. Por uma época é válido, mas sempre não.

Existem muitos artistas maravilhosos que não conseguem espaço, porque compram tudo. Música não é mercado de venda. Música é arte popular Brasileira e nós estamos no Brasil, não pode ser assim. Sair por aí comprando espaços onde outro poderia trabalhar. Já pensou se um pedreiro compra o trabalho de outro pedreiro? Vai viver de quê a família desse pedreiro que perdeu espaço? Tem que se pensar nisso.

É duro falar isso. Não estou falando contra, estou dizendo: modere um pouco, poxa. Dê espaço para outros, pode ocupar o espaço, o espaço é de todo mundo, por isso se chama espaço. O universo é de Deus, e eu sou de acordo que se tem que respeitar e dar espaço e falar de outros artistas. Eu sempre falo de Luiz Gonzaga, Grande Otelo, Chico Buarque, Ataulfo Alves, e falo porque faz parte da minha educação musical, mas hoje em dia ninguém faz isso.

Agora, estão fazendo comigo e isso é uma coisa tão bonita e eu sou tão agradecido a Deus e a essas pessoas, esses amigos, porque eles estão fazendo além de uma homenagem, eles estão mostrando para o público um artista.

No meu caso por exemplo, estou há mais de vinte anos fora da mídia, mas não me afeta, estou nos lares das pessoas e isso é muito bom.

Jeff Soares (colunista)

 

 

 

SOBRE O COLUNISTA: Ativista da causa animal e das causas contra o preconceito, Jeff Soares tem 34 anos, é músico, cantor, e compositor há 18 anos. Trabalhou durante 11 anos como radialista nas rádios Vitória FM e Amizade FM, apresentando os programas Leitura Dinâmica, MPB Café e o É o Bicho. Atualmente, Jeff mantém a Banda de Benção, escreve crônicas e romances, além de escrever sobre Rock para o site Whiplash.net.

Leia Também:

ads

Notícias Relacionadas

Seja Digital promove evento para agendamento presencial de retirada do kit de sinal digital

Nesta quinta-feira (4), a equipe o Seja Digital estará promovendo um atendimento presencial para ...

Professora da Gonçalves Dias promove campanha para ajudar família de aluna que perdeu tudo em incêndio

Foto: Arquivo pessoal Na madrugada deste sábado (27) uma família teve sua casa totalmente ...

Canguçu tem Banco de Alimentos Madre Tereza de Calcutá

Nas últimas semanas, durante uma missa na Igreja matriz, aconteceu o lançamento do Banco ...

Sinal analógico será desligado nesta quarta-feira em Canguçu

Foto: Divulgação Até dezembro de 2018, mais de 1300 cidades do Brasil terão o sinal analógico ...

III Feira do Livro de Canguçu enaltece jovens escritores

Integrada à programação de aniversário do Município, a terceira edição da Feira do Livro ...

luz elétrica em Canguçu

Coluna Revisitando a História: A tão sonhada luz elétrica em Canguçu

Há poucos dias a comunidade canguçuense presenciou a demolição de antiga construção localizada na rua ...

Vende-se casa no centro com 3 quartos, suíte e garagem

Delaci Negócios Imobiliários vende uma casa com 02 quartos e uma suíte grande, sala ...

Confira a Programação Completa da Semana da Pátria em Canguçu

Foto: Roberta Pereira/Prefeitura Municipal No dia 24 de agosto, Canguçu recebeu a chegada do ...

Jair Bolsonaro

Em pré-campanha, PSL inaugura outdoor de Jair Bolsonaro no trevo de acesso a Canguçu

Na tarde deste sábado (9), o Partido Social Livre (PSL) inaugurou um outdoor – anúncio ...