Revisitando a História: Personagens Inesquecíveis

Foto: Arquivo Fotográfico do Museu Municipal Capitão Henrique José Barbosa

Revisitando a História

Em razão das férias passei um tempo afastada deste espaço no jornal Canguçu Notícia, porém, agora de volta penso no que escrever e me ocorre que espaços como este, que  se destinam a registrar a história local devem trazer histórias de homens comuns, ou seja, daqueles que pelo modelo tradicional de escrever, estariam a margem do registro, ficando o espaço reservado para os que realizaram grandes feitos ou ocuparam lugar de destaque em determinado momento.

Pois bem, esta semana fui surpreendida com a notícia nas redes sociais de que um dos personagens folclóricos guardados com carinho na minha memória, João Medeiros, o conhecido João Popó, completou seus 109 anos e estava sendo homenageado com carinho por sua família.

João Popó juntamente com o Rosca, a Cidália, a Nair, o Major, a Santinha e tantos outros, foram mais que pessoas comuns, foram personagens que enfeitaram o dia a dia desta cidade e povoaram o imaginário das crianças que viveram sua infância na década de 70.

Todas as pequenas cidades, em todos os tempos, veem passar por suas calçadas estas pessoas que deixam sua marca de maneira diferente do padrão, mas estas pessoas com suas existências tão especiais ficarão  guardadas para sempre na  memória.

Seja por seu carisma, pelas histórias fantásticas que os rodeiam como virar lobisomem, seja por uma  longa barba branca e  terno cinza surrado, seja como um romântico par, ou mais recentemente como quem  cantava a “Madalena”, ou outro que, inocente como criança, se alegra em assustar seus conhecidos, ou mesmo aquela que, rodeada por seus cachorros, é uma figura tão especial em nossa Canguçu. Não preciso dizer seus nomes, todos nós conhecemos estes que foram citados e outros tantos que passaram por estas calçadas e deixaram suas marcas

Levantando o véu da história de nosso município, ressurge neste momento um personagem que não cheguei a conhecer, o Patuá, não este Patuá que hoje conhecemos mas um antigo morador desta terra que muitos canguçuenses com certeza ainda lembram.

PATUÁ

Não assistiu ninguém ao formidável fim
Daquele homem pobre de corpo tão torto
Quando o acharam calmo e só, estava morto
Morrera só, coerente de viver assim.

Alma boa, a desgraça o não fizera ruim
Lembrava um quasímodo: dava um desconforto
Vê-lo sentado e triste como um Buda absorto
Uma caricatura horrenda para mim!

Alma chumbada a vida,
O corpo ao chão chumbado
Quando bebia muito, esvoaçava os braços
Como se fosse, o pobre, um Ícaro tombado!
Bebera a vida inteira, era esse o seu cunho
E pressentindo a morte escutando seus passos,
Quis morrer calmo e só,
Morrer como um “tutumunho”.

Quem não conheceu o Patuá? Por certo que todos os habitantes de Canguçu e mesmo os forasteiros que estacionaram, ainda que por poucas horas no hotel Brasil, de cuja caridade viveu longos anos, tiveram ensejo de conhecer aquela figura popular a quem a natureza criminosa tudo negara.

Achaparrado e disforme, horrente aspecto a locomover-se de mãos ao chão era, entretanto uma alma boa. Em sua memória apresentamos um soneto da verve do Dr. Jorge de Moares,  onde o ilustre vate conseguiu de forma muito feliz apresentar-nos uma imagem nítida do pobre Patuá.

 

 

 

SOBRE A COLUNISTA:: Miriam Zuleica Reyes Barbosa, formada em História pela Universidade Católica de Pelotas, é Professora da Rede Municipal e Acadêmica da ACANDHIS (Cadeira nº 6). Zuleica mantém em paralelo seu blog De Cangussú à Canguçu, Muitas Histórias.

Leia Também:

ads

Notícias Relacionadas

Revisitando a História: O surgimento do Monumento ao Colono

Você sabia? O monumento ao imigrante localizado na Praça Hilmar Nornberg Pinz foi idealizado e construído ...

Revisitando a História: O Clube Abolicionista de Canguçu

Foto: Acervo Desconhecido/Facebook Passado a pouco o dia 20 de novembro, dia da “Consciência Negra”, ...

Revisitando a História: O início do Tradicionalismo em Canguçu

Sabe-se que o primeiro Centro de Tradições Gaúchas, fundado em nosso Estado data do ano ...

luz elétrica em Canguçu

Coluna Revisitando a História: A tão sonhada luz elétrica em Canguçu

Há poucos dias a comunidade canguçuense presenciou a demolição de antiga construção localizada na rua ...

Revisitando a História: A Inauguração do Busto de Getúlio Vargas

Muitas vezes acostumamos ver as coisas sempre onde estão e nem nos perguntamos como ou ...

Revisitando a História: A Semana da Pátria

Esta época é muito importante para nos fazer pensar no quanto é necessário o resgate ...